Menu

As cores da doença – dengue e zica

27 de abril de 2016 - Trabalho
As cores da doença – dengue e zica

Quando a produtora 24p do Rio de Janeiro me chamou para trabalhar a cor das campanhas do Ministério da Saúde contra a dengue e contra a zica, minha grande preocupação foi usar a cor para ajudar a passar a sensação de desconforto que as doenças causam. E, com isso, tornar as campanhas ainda mais eficazes.

A primeira peça publicitária, contra a dengue, foi filmada com uma câmera RED Dragon e editada no AVID por Marcos Antônio Monteiro, com o apoio técnico de Felipe Britto. A cor foi feita por mim no DaVinci Resolve Studio 12.
Still_dengue

No fotograma acima podemos ver a imagem de uma menina doente. Embora a cena contenha diversos elementos coloridos, a intenção do tratamento de cor foi diminuir bastante a saturação e deixar a imagem em tons bem frios. Ou seja, uma imagem triste e sem energia. Porém sem perder a beleza estética da filmagem. E foi essa paleta de cor básica que utilizei durante toda a peça publicitária. Vale mencionar que o facho de luz que entra no quarto pela janela foi adicionado na marcação de luz digital, por meio de um power window do DaVinci.
Paleta-Dengue

Paleta de cores do filme contra a dengue

Como pode ser visto na paleta acima, até mesmo os tons de pele são pálidos e sem vida, assim como se sente a pessoa doente. Assista a peça inteira no vídeo abaixo.

A peça contra a dengue, com a participação de Camila Pitanga, foi rodada com uma câmera Sony F55 em 4K RAW. Também editada no AVID Symphony por Marcos Antônio Monteiro, com o apoio técnico de Felipe Britto e a cor feita por mim no DaVinci Resolve Studio 12. Desta vez, por se tratar de uma pessoa saudável falando sobre a doença, a escolha foi por uma paleta um pouco mais quente nos tons de pele, mas permanecendo mais fria no geral. Neste caso, utilizando tons esverdeados que contrastam com os tons de pele, formando uma imagem harmoniosa. A saturação também foi maior para não empalidecer demais a Camila. Afinal, ela não estava doente.

Still_zica

Vale mencionar que a participação de Camila Pitanga foi toda filmada nos estúdios da 24p, enquanto que os fundos foram rodados em locação com uma Steadicam. O movimento dos dois elementos foi casado pelo artista de motion graphics Justin Anthony Berru no Adobe After Effects, utilizando diversas rampas de velocidade. No entanto, o recorte do chroma não estava funcionando nem no After nem no Symphony por conta de ter sido utilizado um fundo de chroma azul e o figurino da atriz conter elementos azulados. Então, acabou sobrando para o colorista, pois a solução foi utilizar as novas ferramentas de recorte do DaVinci Resolve 12.

Usei o novo recorte de máscaras 3D, que se assemelha muito a um chroma keyer tradicional. E a qualidade do recorte surpreendeu a todos. Só que o recorte do cabelo ainda não ficou perfeito. Então apelei para um velho conhecido dos anos 90, o Fusion – agora da Blackmagic – e seu fantástico keyer Primatte. Este fez um recorte perfeito nos cabelos, deixando visíveis até fios individuais. Só que, como usamos a versão gratuita, o controle da função de spill do Primatte estava desativado. Então este acabou interpretando os elementos azulados no figurino da atriz como vazamento de azul, modificando sua cor. A solução final foi fazer dois passes, um em cada programa, e Marcos combinou os dois usando máscaras no AVID.

Paleta-Zica

Paleta de cores do filme contra a zica

Assista a peça inteira no vídeo abaixo.

Como podemos ver, o uso planejado de certas paletas de cor pode contribuir bastante para reforçar uma mensagem. É por isso que é importante que o colorista tenha um bom conhecimento da influência psicológica que as cores têm na audiência. Um bom profissional sabe que não pode simplesmente usar um filtro aleatório ou tentar deixar qualquer imagem bonita, já que isso pode alterar o sentido da mensagem. Portanto, o colorista precisa de uma boa formação artística, além de todo o conhecimento técnico necessário para poder exercer corretamente a profissão.

Paulo M. de Andrade
colorista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *